Uncategorized

Meu pai, my guy.

12/08/2018

Desde que nasci, meu pai, my guy. Meu pai, desde que cresci, my guy, meu guia, minha segurança, meus abraços, meu colo, minhas palavras, meu amor, meu olhar, meu calor, minha fortaleza, meu cara. Desde que nasci, meu pai, my guy. Meu, desde que cresci, meu consolo, minha rede, minha fé, meu termômetro, minha saúde, meus curativos, meus arranhões, minhas broncas, meus castigos, meus aprendizados, minhas birras contidas, minha maturidade, meu cabresto, meu ninho, minha descoberta de que a vida é afago e também aperto, proteção e assuntos sérios, convites ao meu crescimento. Meu pai, my guy e tantas outras coisas mais. Porque o pai que me trouxe, não me deu apenas a minha vida, me deu a sua, me disse as coisas, me explicou o mundo, me apontou a beleza e me revelou que há por muitos cantos do mundo também o desespero, também a traição, também a desconfiança. Mas que eu não precisava ter medo. Porque eu tenho dentro de mim o interruptor que acende a luz que espanta tudo de ruim e que ilumina tudo o que há de bom. Meu pai, my guy. Me contou o que era o tempo, o que era o nosso trajeto sobre a terra, o que era ser uma vida viva nesta vida. Meu pai, my guy, que saudade desse cara, desse homem, grande homem, homem que já não resta mais como homem, mas apenas como memória. E que memória! Meu pai, my guy. Meu pai que me ensinou tanto, inclusive, o que é sentir saudade, saudade imensa de alguém que não está mais perto, mas que é o ouro puro da presença. Eu te carrego em mim, meu pai. Eu te sou, metade de mim, aliás, você é. A outra metade é da mãe. Meu pai, my guy. Quanta graça ter sua passagem pela minha história. Quanto amor ter o seu encanto na figura do meu olhar mais íntimo, aquele que mora lá dentro, aquele que se abre em mim não mais como ferida, mas como agradecimento. Meu pai, my guy. Meus caminhos são seus passos, aqueles todos que contigo, aos seus braços, eu aprendi a dar. Meu pai, my guy. Que você seja sempre em mim essa grande luz a me guiar. Meu pai, my guy. Obrigada por me ensinar que não há verbo mais atuante nessa trilha do viver do que o amar.

 

*Crédito da foto: Naassom Azevedo.

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply